Teorias de boniteza e o papel da arte 1

Teorias de boniteza e o papel da arte

Há um debate em filosofia sobre o que constitui formosura. Alguns acreditam que é subjetivo, no tempo em que outros acreditam que é propósito. Existem teorias sobre a natureza da bondade e o papel da arte no método. Por esse artigo, examinaremos novas das questões envolvidas nas teorias da boniteza e discutiremos o relacionamento entre os 2.

Teorias da beleza

As teorias da graça são as diversas formas de esclarecer a boniteza. Eles diferem na sua abordagem à estética e em suas definições de graça. Aristóteles, por exemplo, citou que a lindeza é um estado de unidade perfeita ou simetria. A geração clássica de beldade enfatiza a simetria como a aparência da harmonia entre as partes. Essa geração é representada pela arquitetura clássica e neoclássica, escultura, literatura e música.

A teoria da beleza de Agostinho enfatizava a unidade, proporção, ordem e igualdade. Ele falou que esses são os elementos da formosura e os apresentou em incalculáveis contextos. A unidade é a apoio pra graça, e é preciso tê -la. Quanto mais harmonioso um objeto é, mais gracioso é.

Objetivo vs subjetivo

A beldade objetiva e subjetiva são 2 dos assuntos mais debatidos pela filosofia. Se bem que a beldade seja um estado emocional, algumas pessoas pensam que podes ser medido com instrumentos científicos. Embora isto não seja inteiramente possível, existem certos aspectos da beldade que são objetivos. Por exemplo, uma pessoa pode achar um rosto atraente, mesmo que ela não tenha um prazeroso sorriso ou um bom nariz.

Pela filosofia, a graça objetiva é o impecável estético derivado da realidade externa que é validada na mente, não coletivamente. Isso significa que um perfeito objeto existe independentemente de tua subjetividade e não necessita de um consentimento coletivo para ser considerado deslumbrante. Por outro lado, a formosura subjetiva deriva da mente e da sabedoria de um cidadão.

Bondade como verdade

Nos tempos antigos, as pessoas acreditavam na subsistência da bondade como verdade. Eles acreditavam que a bondade estava no centro de todas as coisas e que poderia triunfar sobre o mal, o desgosto e a morte. Aqueles que acreditavam na bondade como verdade tinham uma entendimento da essência de Deus. A bondade, eles acreditavam, é a claridade no centro de todas as coisas.

Arte como uma manifestação de bondade

Tolstoi definiu interessante arte como uma coisa que une forma e assunto. Por outro lado, a má arte é incompreensível para a maioria das pessoas. A arte que é incompreensível para a maioria das pessoas não tem mensagem e transmite sentido a um grupo limitado. Boa arte é universal e explica o significado da existência em uma linguagem que todos são capazes de assimilar.

A característica da arte é determinada por quão sincero o artista é. Quanto mais genuíno o artista for, mais contagiante será a obra.

Representação da graça pela publicidade

De acordo com um novo estudo da Mintel, 63 % dos americanos são inspirados em marcas de lindeza com diversidade na sua publicidade. Eles dizem que as marcas de boniteza com diversidade evidenciam a diversidade da existência real e comprovam várias formas de serem bonitas. Quase metade dos consumidores de lindeza procurou inúmeras marcas no ano anterior. Entre eles, mais de um quarto comprou produtos de uma marca de posse minoritária.

A campanha Dove é um agradável exemplo disso. A corporação está lutando pra modificar a idéia de formosura da sociedade há mais de uma década. Seus anúncios apresentam diversas mulheres que expressam tuas disputas pessoais e confirmando sua graça. A organização usa modelos realistas e fornece uma mensagem sério que visa incentivar as mulheres a obter seus sonhos.